Milu Silveira


Ela nasceu fadada ao sucesso

Herdeira de uma das mais tradicionais famílias alagoanas, Marilu Eugênia Alvim Mamzer Tamatim Calheiros da Silveira, a nossa Milu Silveira, já nasceu fadada ao sucesso. Em 1981, aos 7 anos, tirou o primeiro lugar num concurso de poesia infantil do jornal literário de sua cidade, no interior alagoano. Seu pai, poderoso usineiro, poeta e homem de letras em geral, logo percebeu o talento da filha e mandou-a estudar na Bélgica, onde ficou doze anos, convivendo com o “crème de la crème” da intelectualidade de Antuérpia.

Ao voltar ao Brasil, ela trouxe um portfólio de 350 poesias, 1.480 ensaios e nada menos que os originais de 60 romances, dos quais, apenas 39 não foram ainda publicados. Tudo isso aos 19 anos!

“Sempre fui assim, desde criança, com excesso de atividade intelectual”, afirma Milu. “Tenho uma mente irrequieta, que me leva a muitos desafios ao mesmo tempo, e felizmente sei como canalizá-los para o público em geral”.

Hoje, aos 27 anos, ela é a mais jovem colunista do SacolãoBrasil, e das mais lidas também, graças ao estilo exato e abrangente, cuja profundidade se dilui na simplicidade e leveza.

“Ainda vou escrever o best seller dos best sellers”, promete Milu.

Edição 065
A missão maior desta coluna
Edição 071
Um enlace digno de reis e rainhas
Edição 076
Boi com abóbora e gente mais fina
Edição 082
Uma recepção de alto nível
Edição 087
Uma manhã com a plebe rude
Edição 092
Bob, um darling, Alonso, um crítico
Edição 097
Outra top model no meu currículo
Edição 102
Tio Hilário era senador!
Edição 107
O apagão me salvou