ANO III NÚMERO 35

O TEXTO DO SITE É OBRA DE FICÇÃO. QUALQUER SEMELHANÇA
COM PESSOAS E ACONTECIMENTOS REAIS É MERA COINCIDÊNCIA.

2006© - Ao Pé da Letra Jornalismo
Projeto Gráfico: i propaganda
(Site melhor visualizado na resolução 800x600)

a
Ismael fica de barba grande o ano inteiro. À direita, como Papai Noel de loja.
Papai Noel perde seu velho emprego,
vítima da crise econômica brasileira
Claus Aparecido dos Anjos
Ismael Garrido é um dos milhões de brasileiros que precisam de mais de um emprego para sustentar a família. O fim do ano, que sempre foi para ele a época mais lucrativa,

tornou-se, de repente, outro motivo de preocupação. Funcionário há 26 anos de uma multinacional americana, além do emprego fixo, Garrido sempre ganhou bom dinheiro extra como

Papai Noel. Mas este ano, com a grave crise econômica, ele precisou enfrentar filas e disputar com dezenas de outros candidatos um trabalho que sempre esteve a sua disposição. (segue)

VEM AÍ

"Eu fui vítima de Michael Jackson!"

--------------

Vidente avisa: "Não espere nada de 2004!"

Fotografamos outra queda do real!!!
a
EXCLUSIVO!

Nosso fotógrafo, Rodney Moura,
estava no Banco Central para uma matéria de rotina e aguardava na
ante-sala a chegada do entrevistado,
que havia se atrasado. Resolveu então
sair para um cafezinho, quando ouviu,
na sala do presidente, uma acalorada discussão. O assunto era mais uma desvalorização da nossa moeda. Sem ser visto, atrás de um biombo, acompanhou todos os inflamados debates entre os membros da reunião e fotografou o mais importante.Cada um
dos participantes tinha uma opinião, começaram a discutir, os ânimos se exaltaram e então houve
um impasse. Ninguém concordava com

ninguém. Até que, em certo momento,
um dos membros da equipe, não-identificado, decidiu uma solução na
base de uma espécie de cara ou coroa.
E jogou várias moedas na grande mesa
da sala de reuniões (foto 1). Algumas delas correram por toda a extensão da mesa de decisões. Quase todas as moedas ficaram em pé, mas uma delas rodopiou e acabou caindo (foto 2), o que, segundo um dos participantes, era
o melhor indício de que o real deveria
ser desvalorizado. Os debates
cessaram, todos concordaram e assim
foi decidido. Resultado:a moeda foi desvalorizada em 3,75%.