ANO V NÚMERO 51

O TEXTO DO SITE É OBRA DE FICÇÃO. QUALQUER SEMELHANÇA
COM PESSOAS E ACONTECIMENTOS REAIS É MERA COINCIDÊNCIA.

2006© - Ao Pé da Letra Jornalismo
Projeto Gráfico: i propaganda
(Site melhor visualizado na resolução 800x600)

Texas de Bush
proíbe boneca
sexy brasileira
Pouca roupa causou a proibição
Por Cristina Monteverde
Enviada especial a Dallas

Uma boneca quase sem roupa, que seria oferecida como brinde de uma grande loja de lingerie em Dallas, no Texas, foi proi-bida por um juiz da cidade, atendendo ao pedido de diversas organizações religiosas do estado ameri-cano, famoso pelo seu conservadorismo. (segue)

John Wayne falso pode
ser excluído do museu
de Madame Trousseau

Por Mirabeau Alvim
Correspondente europeu

Uma estátua de John Wayne, entre as mais populares atrações do célebre Museu de Cera
de Madame Trousseau, está ameaçada de ser excluída da exibição por causa da denúncia de um admirador do astro dos faroestes de Hollywood.
O crítico de cinema americano Ethan Edwards Scar afirma que a estátua teve como modelo, não o verdadeiro John Wayne, como é tradição com as reproduções do museu, mas um anônimo que poucos conhecem.
“Isto é no mínimo uma falcatrua, pois a tradição de fidelidade ao original

Crítico de cinema e fã do ator descobriu a falsificação
honra para Madame Trousseau”, afirma Scar, que descobriu a falsificação numa viagem de férias em Bruxelas, onde o famoso museu de cera está em exibição no Palais de Cire Falsifié.
(segue)
Quando menos
se espera,o
Diabo aparece e
causa confusão
Arte: Zelão
Leitor ganha um novo colunista
que conhece bem o Brasil anônimo
Começa nesta edição a colaboração de um colunista que vai falar sobre o brasileiro
anônimo, aquele que faz parte de grande parcela
da nossa população que não tem cara, não tem
voz e a cada dia perde
sua dignidade, sua identidade e seu direito

ao progresso e a uma
vida melhor.
Genésio Gomes Sobrinho, 59 anos, é professor for-mado, mas nunca exerceu
a profissão, atraído desde os 15 anos pela vida no circo, seguindo tradição
de três gerações de sua família. No circo há 44 anos, ele ficou famoso

como o Palhaço Patuléia, e pode falar com autori-dade e experiência sobre
o que é viver no Brasil de hoje, tendo como sustento uma profissão em extinção, que só sobrevive graças ao heroísmo, persistência e teimosia de seus artistas. Como a maioria dos brasileiros, aliás.